Estilo de vida workaholic — Existe felicidade na segunda-feira?

Projeto Final de Design Mídia Digital

Thiago Dias
5 min readJul 6, 2021

--

Neste artigo, apresento uma parte do projeto e como ficou o resultado até o momento.

O tema surgiu como uma indagação e um incômodo, virou proposta de projeto, caminhou para uma instalação, foi da subjetividade ao concreto. Envolve design, interação ativa e passiva com o público, projeção, Processing, Arduino e sensores. O resultado do projeto (protótipo) tomou forma após 1 anos, com base em muitas pesquisas, entrevistas, dinâmicas, testes e experimentos.

A partir da análise do mal-estar disseminado como uma incapacidade de administrar experiências negativas em uma era caracterizada pela positividade excessiva e pela disponibilidade universal de pessoas e bens, esse projeto visa criar uma reflexão e fomentar o debate entre os profissionais — geração Y e Z do mercado de tecnologia/inovação — e o seu ambiente de trabalho que, por muitas vezes, é propulsor de alguns distúrbios, como por exemplo o burnout [ 1 e 2], causados pelo mito do estilo de vida workaholic.

De acordo com as pesquisas realizadas pela ISMA-BR (International Stress Management Association no Brasil), 30% dos profissionais brasileiros sofrem da síndrome de burnout.

“… traz consequências negativas ao trabalhador, podendo levar desde a baixa produtividade a problemas psicofisiológicos, comprometendo a qualidade da assistência prestada.”

A Organização Mundial da Saúde (OMS) está chamando a atenção para o problema do estresse relacionado ao trabalho. Em 2018 a Organização reclassificou a síndrome do esgotamento profissional ( burnout) — chamada de CIP-11 -, foi aprovada durante a 72ª Assembleia Mundial da OMS e entrará em vigor em janeiro de 2022.

Livro Sociedade do cansaço — Byung-Chul Han

O autor e filósofo Byung-Chul Han, em seu livro Sociedade do cansaço (2015), Editora Vozes, sugere que a razão pela qual tantas vezes nos sentimos exaustos e fatigados é porque estamos cercados por uma cultura da positividade. No trabalho, assistindo TV em casa ou navegando pela web, somos inundados por mensagens não tão sutis, tudo o que precisamos fazer é nos esforçar mais e que pode não haver limites para o que poderíamos alcançar. O mesmo se aplica aos milhares de livros de autoajuda publicados a cada ano que reforçam o imperativo do pensamento positivo e das ações positivas.

Aumente o som para ouvir um trecho do episódio 191 — O Avesso da Jornada do Herói, podcast Mamilos.

Com o propósito de criar um ambiente de exploração, a exposição promove uma perspectiva onde o indivíduo possa indagar o seu elo com o trabalho, assim refletir e discutir sobre a sua percepção de equilíbrio entre a vida pessoal e profissional.

Para alcançar este objetivo, são projetadas frases consideradas motivacionais — também conhecidas como eufemismo — em ambientes corporativos para estimular o funcionário/colaborador ser mais eficaz em suas obrigações. Mas essas sentenças, podem carregar segundas intenções — um excesso de positivismo -, em alguns momentos, em vez de estimularem acabam amenizando situações desconfortáveis para evitar o conflito eminente. Em contraponto, conforme o participante interage (ação) com a exposição/sensores, são reveladas (reação) novas perspectivas sobre cada uma dessas frases, com toque de humor e sátira. Podemos ponderar alguns desses clichês ditos no cotidiano corporativo e gerar debates maduros e algumas risadas.

Interação no ambiente Processing — Frases Positivas x Frases Desconfortáveis

Por efeito à pandemia, infelizmente a instalação não pode ganhar forma física. Para a segurança dos alunos e funcionários, a PUC-Rio transferiu as aulas para o ambiente online, como consequência a montagem e a interação com o público ficou para um futuro próximo. Enquanto isso, pretendo aperfeiçoar a interação com os sensores e a experiência auditiva, adicionando efeitos e trilha sonoros.

Para contornar essa situação e demonstrar a instalação, criei uma simulação de um ambiente tridimensional, como se o público estivesse na exposição. Essa simulação ajuda entender a complexidade do projeto, escala e materiais utilizados.

Construir a simulação em 3D foi um enorme desafio, pois nunca havia feito nada igual, mal sabia mexer no Adobe After Effects, mas o desfecho trouxe muitas recompensas, como por exemplo: noções apuradas de motion design, 3D, composição, efeitos visuais e mais proficiência com software.

Aumente o som para uma experiência completa.

A simulação conta com a representação de uma participante observando e interagindo no canto direito. Dependendo do seu deslocamento pela sala, os movimentos são captados por sensores + Arduino, esses dados são enviados para o Processing, que por sua vez envia as imagens para os projetores.

Assimilar a relevância da forma como nos comportamos, agimos e nos comunicamos é entender que a argumentação se constitui de fatos e que nós somos seres de linguagens. Nós usamos a linguagem para significar no mundo e para trazer o recorte que a gente faz do mundo para a nossa realidade. A linguagem não é inocente e nós tão pouco. Somos seres políticos, seres que agem no mundo, embora pareça que não temos essa intenção. A maneira como nos colocamos no mundo representa, significa e é um recorte de uma realidade.

Não pretendo desvalorizar o trabalho, mas sim entendê-lo com uma parte importante da vida e não como um fim para vivermos. É possível glamourizar outras atividades além do trabalho, como atividades lúdicas, artísticas, esportivas, a vida social e o ócio.

Acredito que ainda seja um assunto complexo, com muitas camadas e pontos de vista. Mas sem dúvidas, precisamos questionar como chegamos nessas circunstâncias e para onde nós vamos nesse cenário corporativista, baseado em um positivismo alienante.

Agradeço muito ao meu orientador, professor João Bonelli.

Update:

Este projeto foi selecionado para 14ª Semana Design PUC-Rio, que aconteceu no final de 2020 online. Para mais informações, é só entrar aqui.

Originally published at https://www.linkedin.com.

--

--